Dicas do Sesi: alimentação das crianças durante a quarentena requer atenção

Com o isolamento social e o fechamento de escolas, medidas tomadas para o combate à pandemia do coronavírus, as crianças e adolescentes estão em casa. Para as famílias foi preciso se adaptar a uma nova rotina e um dos pontos relevantes dessa nova reestruturação é a alimentação.
A psicóloga Angélica Corrêa, mãe de trigêmeos, sabe bem o que é isso. Maria Emilia e Lorenzo Corrêa Calabria estão no 3º ano do ensino fundamental do Serviço Social da Indústria (SESI) de Cuiabá, e Ana Luíza Corrêa Calabria frequenta a Escola Municipal Professora Elza Luiza Esteves – ambas as unidades escolares estão com as aulas suspensas há cerca de três meses e a família precisou promover algumas mudanças.
Para a mãe, um dos pontos positivos foi poder acompanhar mais de perto e conseguir retirar da dieta produtos processados, já que sem o monitoramento dela havia concessões de outros cuidadores.
“Como aderi ao teletrabalho por 35 dias no início da pandemia, consegui retirar doces como creme de avelã, biscoitos e salgadinhos de milho. Introduzi mais frutas, entre as aulas on-line, e acompanhei mais de perto a escolha do cardápio, reforçando a variedade de alimentos, que não comiam, pois alegavam não gostar”, conta Angélica, ressaltando que as crianças já mantinham uma rotina, apenas foi preciso fazer adaptações e promover uma regularidade.
A nutricionista do SESI de Mato Grosso, Roberta Sanches, concorda e reforça que o importante é estabelecer e respeitar os horários da alimentação. “Deve haver hora para o café da manhã, almoço e jantar e, de acordo com o dia a dia, oferecer pequenos lanches nos intervalos e muita água”.
A especialista aponta ainda que a rotina faz com que não haja exageros e descontrole – que contribui para o ganho de peso que gera outras complicações na saúde da criança. Além disso, quando as aulas retornarem é preciso que as regras continuem.

Alimento e diversão
É importante dar a alimentação o espaço que ela merece. Sentar à mesa e mastigar bem os alimentos faz parte do processo de uma boa alimentação. “O uso de TV, tablets e celulares nesse momento desconcentram e pode haver exagero no consumo ou até mesmo a falta de apetite”, alerta Roberta.
Outro fator que pode tornar um momento da refeição mais atraente para as crianças é envolvê-las no processo, fazendo com que ajudem a preparar uma salada ou colocando a mesa.
Na casa dos trigêmeos a prática já é adotada há muito tempo. “Eles ajudam separar e preparar os alimentos, fazer bolos, preparam seu próprio sanduíche, ovo mexido e o leite, tomando os cuidados devidos com facas e fogão”, informa Angélica.
A nutricionista Roberta complementa dizendo que vale manter também uma programação com receitas especiais para agradar o paladar das crianças, como um hambúrguer saudável. “Preparar a própria comida é um incentivo para elas provarem pratos diferentes”.

Hábitos saudáveis
Cada faixa etária possui suas necessidades, um profissional nutricionista poderá ajudar nesse plano alimentar individualizado.
“Nem sempre comer muito ou pouco demais e sinal de saúde. Precisamos das quantidades certas e dos nutrientes equilibrados”, ressalta Roberta.
Os pais também precisam ter hábitos saudáveis, pois as crianças se espelham nos adultos. Os pais são os atores principais, e precisam dar o exemplo, bem como fazer as escolhas corretas nas compras. Se não comprar e não ter em casa, não será consumido.
Confira outras dicas da nutricionista para o manuseio e preparo dos alimentos

Controlar a ansiedade
Nesse período da reclusão e de ansiedade é comum o aumento no consumo de alimentos concentrados em açúcar, sódio e conservantes pelas crianças. Dessa forma, é importante realizar trocas saudáveis e auxiliar com atividades diferenciadas o controle da ansiedade.
“Em casa, percebo que eles sentem vontade de comer, mesmo sem fome. Quando estou presente procuro entender se é fome ou vontade de comer e, assim, tento deixá-los mais conscientes do que é fome ou tédio mesmo”, diz a mãe dos trigêmeos.
A nutricionista do SESI finaliza dizendo que, no caso dos lanches, uma dica é oferecer sucos naturais, bolos caseiros, frutas picadas acessíveis, iogurtes naturais com frutas. “Uma alimentação adequada e saudável garante uma boa nutrição e o funcionamento adequado de todo o corpo e mente”.

A Indústria contra o coronavírus: vamos juntos superar essa crise
Acompanhe todas as notícias sobre as ações da indústria no combate ao coronavírus na página especial da Agência CNI de Notícias.

Banner Add

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial